A zeladora da Rua de Grenelle, nº 7

Uma vez, um professor me disse que não há nada mais fantástico que após assistir um filme e depois outro e uma rápida pesquisa no Google, você se deparar com outro longa ou uma série ou um livro interessante. Foi o que aconteceu na última quinta-feira, uma tarde chuvosa e fria.

Ver um filme, pesquisar sobre ele, achar um livro, ler esse livro: essas são as dicas de Gabriella Figueredo (Internet)

Depois de assistir alguns filmes na Amazon Prime, ao pesquisar sobre um filme francês, descobri o livro A elegância do ouriço, da autora Muriel Barbery. É um romance sobre Renée, a zeladora – ou concierge como se diz em francês – de um prédio de luxo no coração de Paris. Uma consulta rápida no Google Maps confirma que existe, de fato, uma Rue de Grenelle. Bem próximo a Torre Eiffel, é uma rua longa com muitos cafés, lojas e museus. E Renée é viúva, seu marido também trabalhava como zelador e após a sua morte, passa a morar sozinha no prédio de oito andares. Ela lê bastante e assiste muitos filmes, porém quando falam com ela, responde somente o necessário. “Meu nome é Renée. Tenho cinquenta e quatro anos. Há vinte e sete sou a concierge, a zeladora do número 7 da Rue de Grenelle, um belo palacete com pátio e jardim interno, dividido em oito apartamentos de alto luxo, todos habitados, todos gigantescos. […] Não estudei, sempre fui pobre, discreta e insignificante. […] Como raramente sou simpática, embora sempre bem-educada, não gostam de mim, mas me toleram porque correspondo tão bem ao que a crença social associou ao paradigma de concierge, […]”.

Como não lembrar de meu pai?

Assim como a personagem, meu pai é também um zelador, mora com a sua família num prédio localizado na área nobre do Rio de Janeiro. No entanto, ao contrário da zeladora do livro, que aos olhos dos moradores é vista como uma pessoa inculta e faz questão de fingir que é, meu pai já teve que provar que não é burro.

Leia também:
É a guerra de classes, minha gente
100 dias para o carnaval: cinco razões para ficar de olho na Sapucaí em 2022
Viva, Marighella! Obrigada, Wagner Moura!

Em muitos prédios, infelizmente, alguns porteiros são enganados em relação aos seus salários, férias e horas trabalhadas. Muitos síndicos ou síndicas, a maioria moradores, se aproveitam da baixa escolaridade de seus funcionários. Para a classe média, meu pai e muitos não passam de “paraíbas burros”. Renée é uma mulher que faz questão de fazer o papel de ignorante, porém não perde o bom humor e a ironia. Ah, se os ricos moradores soubessem que ela é autodidata e já leu até Kant…

Me pergunto o porquê de querer parecer-se invisível. Talvez a zeladora tenha medo de ser demitida. O romance também traz as reflexões de uma menina de 13 anos, muito inteligente também, que tem o desejo de suicidar-se, pois não suporta uma vida luxuosa e fútil. Paloma enxerga muito bem as disparidades sociais e as hipocrisias da vizinhança rica. “Tem uma faxineira aqui em casa que vem três horas por dia, mas das plantas é mamãe que cuida. […] Toda manhã ela passa em revista as vinte plantas do apartamento e ministra o tratamento ad hoc. E resmunga um monte de coisas, completamente indiferente ao resto do mundo. Vocês podem dizer qualquer coisa a mamãe quando ela cuida de suas plantas, pois ela não presta rigorosamente a menor atenção”.

É com um toque de bom humor também e ironia que ela conta a vida sem graça da mãe, uma socialite, e a irmã que tem tudo para ter um futuro de bela, recatada e do lar. Paloma é diferente de sua irmã, não quer pertencer a essa bolha, mas escolhe que a única saída é pôr fim em sua vida, o que me deixa bem angustiada. É uma personagem que eu queria que saísse do papel e trocássemos uma ideia a respeito das diferenças sociais nos dias de hoje. Com apenas 13 anos, ela tem consciência que o mundo não é cor de rosa, é difícil, principalmente para os que diferentemente dela que nasceu em berço de ouro, é necessário muitas vezes estudar em dobro, trabalhar em dobro para conseguir realizar suas metas pessoais. Eu também gostaria de bater um papo com Renée, uma leitora assídua e apaixonada pela literatura russa, Ana Karenina.

Eu não poderia concordar mais com meu professor da faculdade: não há nada mais fantástico que descobrir um livro maravilhoso, após assistir um filme e uma rápida pesquisa no Google.

A partir de R$ 2 por mês, você colabora com a produção de mais conteúdo do Lado B do Rio. Conheça as metas, benefícios e nos apoie na plataforma Orelo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest