Neymar precisa respeitar o que representa

Meu pai me ensinou a gostar de futebol desde criança. Certa vez ganhei uma bola de presente, e foi meu pai quem me ensinou a chutá-la para fazer um gol. Eu já sabia que seu time era o Flamengo por duas razões: a primeira porque o time da Gávea tem as mesmas cores que o time do meu pai na Paraíba, o Campinense. E a segunda é o Zico. Ídolo do meu pai e de toda a nação rubro-negra.

Em último texto, eu disse que a reclamação que tenho dos meus pais é por não ter nascido a tempo de ver a geração de Zico e o Mundial de 1982. Mas apesar desse problema de prazo, não estou tão mal assim. Nascida em 1990, vi três finais de Copa do Mundo (1994, 1998 e 2002), além de Romário, Rivaldo, Ronaldo Fenômeno e Ronaldinho Gaúcho. Todos craques antes de Neymar.

Leia mais: Os anos de 1990 e o 2021

Neymar Jr. Em 2011, tenho certeza que todos os flamenguistas pararam para ver o histórico Santos e Flamengo, pelo Campeonato Brasileiro, que terminou com a vitória rubro-negra por 5 a 4.

O jogo começou com dois gols do Peixe. Pensei que fôssemos levar uma goleada, ainda mais depois do golaço do Neymar, uma obra-prima, que venceu o Prêmio Puskas daquele ano.

A jovem Gabriella aprendendo a chutar uma bola. Créditos: Arquivo Pessoal

Muito se falou desse jogo, um jogo de nove gols, com dois times candidatos ao título e com Neymar, à época com 19 anos, e já mostrando que era o melhor jogador atuando no Brasil. Muitos jornalistas esportivos o comparavam a Pelé e decretavam que ele seria a próxima estrela brasileira a ganhar uma Copa do Mundo e a Bola de Ouro.

Da camisa 11 do Santos, ele passou a jogar com o mesmo número no Barcelona FC, em 2013. Na Seleção, quando foi chamado, continuou a usar a 11, até que na Copa das Confederações trocou pela 10.

Oito anos se passaram desde então. E a sensação que tenho, é que Neymar ainda não entendeu que camisa está vestindo. A camisa 10 da Seleção Brasileira tem história. Muita história. O jogador, ao vesti-la, deve respeitá-la e honrá-la.

Prêmios individuais importam? Não. Bola de Ouro é consequência de grandes atuações em campo. Se perguntarem a qualquer jogador o que preferem, um prêmio individual ou uma Copa do Mundo, tenho certeza que ser campeão com a seleção de seu país é a resposta a ser escolhida por muitos.

Além de ter o talento com a bola, o camisa 10 deve ser aquele jogador que, em uma Copa do Mundo, desequilibra, cria jogadas quando o time está atrás do placar e não se entrega até o juiz apitar o final da partida.

Neymar Jr., após o fim da última partida contra o Peru, pelas Eliminatórias, disse a seguinte frase: “Não sei mais o que faço com essa camisa para a galera respeitar o Neymar”. Ora, você está lembrado do que fez na Rússia em 2018? Você virou piada no mundo todo, nos principais jornais, por cair, cavar faltas.

Após a derrota contra a Bélgica, sua reação, Neymar, foi o silêncio. Nenhuma entrevista, zero satisfação.

Você só reapareceu meses depois em um comercial da Gillette, em um texto que, óbvio, não foi escrito por você, mas que diz uma frase interessante: “quando eu fico de pé, parça, o Brasil inteiro levanta comigo”.

Quem? Não somos parças. Tampouco o povo brasileiro o é. Aliás, que diabo são os parças? O que você precisa aprender urgente, Neymar, como camisa 10, a que vestiu Pelé, Rivaldo e o ídolo de meu pai, Zico, é aceitar as críticas. Jornalistas e nós, torcedores, não temos a obrigação de lamber suas chuteiras. Você é quem tem a obrigação de entender o que representa.

A partir de R$ 2 por mês, você colabora com a produção de mais conteúdo nas plataformas do Lado B do Rio. Nos apoie em Orelo e conheça as metas e benefícios.

One thought on “Neymar precisa respeitar o que representa

  • 17 de setembro de 2021 em 10:18
    Permalink

    Quanta verdade e lucidez neste texto cheio de futebol e sensibilidade feminina.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest