Outubro do passado, do presente e do futuro

Em outubro de 2020, mais precisamente às 7 horas da manhã do dia 17 de outubro, saía eu na porta do Desembarque Internacional no aeroporto Antônio Carlos Jobim, no Rio de Janeiro, empurrando um carrinho com duas malas grandes, uma mala de mão e uma mochila.

Enquanto empurrava o carrinho, queria sair correndo para abraçar os meus pais que já me esperavam desde cedo. O meu voo estava marcado para chegar às 5:50 da manhã. Eu fui uma das últimas a sair porque as minhas malas foram as últimas a aparecerem na esteira, o que me deixou apreensiva como se alguém estivesse esquecido a minha bagagem e de mim. Depois de algumas horas de espera, finalmente dei um abraço na minha mãe, um abraço demorado, e meu pai me observava, talvez não acreditando que eu havia retornado depois de um ano e um mês na Espanha.

Quando eu disse a ele que já queria voltar, pois eu não queria mais ficar em quarentena pela segunda vez e nenhuma oportunidade de trabalho aparecia no horizonte, meu pai ficou feliz e me disse para não pensar que tudo foi um fracasso. No entanto, era difícil para mim não pensar o contrário. Só depois, ao longo dos meses, que fui me convencendo que eu não havia fracassado.

Leia também:
Em Santa Teresa, fascista não se cria
Por que as offshores são um escândalo em si?

Chegamos em casa, vi que os móveis continuavam no mesmo lugar, mas achei diferente, estranho. Não pensei duas vezes em me jogar na minha cama, porque viajar é bom, mas não há nada como a nossa cama e nosso travesseiro. Vi que meus livros estavam na estante exatamente como os deixei. Depois pensaria em como organizar os que estavam nas malas. Há quem compre sapatos quando viaja, eu compro livros e caderninhos.

Tudo o que queria naquele momento era comer arroz, feijão e farofa.  Foi difícil o meu estômago voltar ao fuso horário brasileiro. Nas primeiras semanas, eu acordava às 4 da madruga para tomar café da manhã. Era outubro, pensei que daqui a pouco chegaria o horário de verão e as cigarras começariam a cantar. Porém, eu estava enganada. A última vez que o país teve horário de verão foi em 2018, logo após as eleições.

Ah… outubro de 2018
Gabriella encontra a mãe em sua volta ao Brasil, em outubro de 2020 (Acervo Pessoal)

Quantas lembranças amargas esse mês nos traz! Lembro que o clima no segundo turno era pesado, resolvi dar um tempo no Facebook, não quis ir para o Twitter e só continuei com o Instagram. Eu tinha a sensação de que pairava uma nuvem negra sobre o Brasil naquelas semanas. Quantas vezes eu tentei alertar aos amigos que já afirmavam que apertariam 17 nas urnas; que o então candidato representava um perigo para a democracia e para as minorias. E os argumentos continuam os mesmos: pela família e contra o comunismo.

Há quem diga que os protestos do “Ele Não” ajudaram a campanha do capitão, algo que eu discordo veementemente, porque a união das mulheres nas principais cidades do Brasil foi lindo e necessário. Contudo, já sabemos que a máquina de propagação de notícias falsas era mais forte que qualquer tentativa de diálogo ou conversa, principalmente, nos dias antes da eleição.

E quem diz, em outubro de 2021, que era imprevisível imaginar o que aconteceria com a vitória de Jair Bolsonaro, é cínico e mau-caráter. Eu já disse e vou repetir: não devemos subestimar quem sente saudades da ditadura.

Um ano da minha volta ao Brasil. Meu pai, como sempre, tem razão: eu não fracassei. Hoje estou fazendo o que sempre quis fazer: escrever. A vida, de fato, é uma caixinha de surpresas. Estou segura de que eu precisava ir para fora do país para olhar para dentro de mim.

Em outubro de 2021, mais precisamente no dia 26, irei tomar a segunda dose da vacina. O que eu mais desejava para este ano era tomar a vacina. O que desejo para outubro de 2022 é a derrota de Jair Bolsonaro.

A partir de R$ 2 por mês, você colabora com a produção de mais conteúdo do Lado B do Rio. Conheça as metas, benefícios e nos apoie na plataforma Orelo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest