Surtada, porém inteira 

Quem gosta de ler deve prestigiar as editoras independentes, principalmente as que dão espaços para novos autores. Quero falar da Marisco Edições, que nasceu em um momento difícil, em outubro de 2020, o ano da pandemia do COVID-19. Mas apesar das dificuldades, Luiza e Isabel se arriscaram e se jogaram no mar, já que como elas gostam de dizer “camarão que dorme, a onda leva”. E o risco, primeiro nome pensado, deu lugar a marisco e está navegando pelo mar das editoras de livros já com muita personalidade.

Leia também:
Movimento ‘Lulastro’? Paes, de olho em 2026, rompe com PDT
Opinião: Gabriel Monteiro é sintoma grave
Enchentes na Baixada Fluminense: um infindável beira-Rio

Em seu site, a proposta da editora é publicar obras que não são publicadas nas grandes editoras. Num país que não lê, mesmo com uma parcela de jovens que frequentam bienais e eventos literários, ainda estamos longe de ser um país de leitores. E por outro lado, observo sempre que vou à uma livraria que há novos autores e autoras nas estantes. Talvez já não seja tão difícil publicar um livro, como aconteceu com a J. K. Rowling que recebeu nove respostas negativas até conseguir publicar o primeiro livro da saga Harry Potter. E é graças às editoras independentes, como a Marisco que vemos novos escritores, principalmente, novas escritoras. É o caso da Amanda Foschini, que já havia publicado um diário sobre o confinamento, respira – diários da pandemia, e neste mês de abril publicou o seu segundo livro, Surtada, porém inteira.  

A escritora Amanda Foschini lança o livro “Surtada, porém inteira”, pela Marisco Edições (Divulgação)

Amanda com muito coragem nos conta as suas crises de depressão, seus fracassos e êxitos. É um diálogo com o leitor muito honesto e engraçado às vezes. Paulista, jornalista de formação, já trabalhou na TV Globo, morou em Nova York, passou a escrever matérias para várias revistas e se mudou para Barcelona e hoje é feliz. Devo dizer que a parte em que ela se apaixona pela cidade de Gaudí e resolve se mudar é o meu momento favorito do livro. Depois de levar um pé na bunda, Amanda resolve estudar espanhol por um mês em Barcelona e se apaixona pela cidade e decide vender o carro, largar o emprego no Brasil e comprar uma passagem só de ida para a Catalunha. Mas nem tudo foram flores, muitas vezes a paulista pensou em desistir. Depressão mais uma vez batendo na porta, o inverno europeu e a saudade da família e amigos do Brasil. Porém, graças aos amigos barceloneses e ouso dizer que a magia da cidade de Barcelona proporciona, que faz aos seus habitantes descobrir uma novidade em cada esquina, as ruas se abrem como se ali estivesse um tesouro a nossa espera, fizeram com que a brasileira continuasse firme na cidade que lhe acolheu.  

E ouso dizer mais uma vez que a cidade de tantos escritores como o meu favorito, Carlos Ruiz Zafón, fez com que a Amanda passasse a escrever e a se dedicar a esse ofício. De se narrar, de contar seus altos e baixos de forma leve e sincera. Vivemos numa época de filtros e imagens supérfluas em redes sociais, surtada, porém inteira é um tapa na cara da sociedade para mostrar que às vezes não estamos bem e que a depressão é coisa séria. Obrigada por esse livro, Amanda! E é graças à Marisco Edições, que livro chegou à algumas livrarias no Brasil e através do site www.mariscoedicoes.com se pode comprar sem dificuldades. 

*Deseja ajudar o Lado B? Torne-se um apoiador na Orelo a partir de R$ 2 por mês ou faça um PIX para [email protected]

One thought on “Surtada, porém inteira 

  • 30 de abril de 2022 em 13:00
    Permalink

    É muito gratificante saber que esforço e competência dão certo. Desejo sucesso nas vendas para a Amanda e que a nova editora se firme no mercado .
    Gabriela , o livro custa caro. Ele se direciona a um público com maior poder aquisitivo. Ele deveria ser impresso com um material menos sofisticado.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.