O patriota brasileiro do século XXI

* Por Gabriel Mendes
O Sete de Setembro notabiliza-se por ser o momento em que autoproclamados patriotas celebram a independência do Brasil, explicitando um amor à pátria que vocifera sua ideia genérica de liberdade. Historicamente, o 7/9 marca o momento em que a elite do Brasil afirmou sua independência formal perante o reino de Portugal no início do século XIX, em 1822. Na época, Dom Pedro I recusou-se a aceitar a volta do Brasil à condição de colônia, depois de termos alcançado o status de “reino unido” em 1808, por conta da chegada da família real. Com esta recusa, estabeleceu-se o marco simbólico da afirmação da autonomia brasileira em relação a Portugal.

Quando pensamos num patriota que exalta o 7/9, portanto, é razoável imaginar um sujeito nacionalista que lute por essa autonomia, defendendo os interesses do estado brasileiro em contraposição a interesses estrangeiros que ferem a soberania nacional. Neste sentido, seria lógico achar que o patriota brasileiro, por exemplo, reverencia a Petrobras como grande patrimônio da sociedade brasileira. Com sua tecnologia espetacular para encontrar petróleo em áreas profundas, a Petrobrás descobriu, em 2006, a maior reserva de petróleo do mundo dos últimos 50 anos, o pré-sal. E com a riqueza advinda desta reserva, o Brasil finalmente teria as condições para criar a segurança energética necessária à efetivação do seu projeto de nação desenvolvida do futuro.

Mas os patriotas brasileiros não aceitaram este projeto. A maioria deles apoiou a desmoralização da Petrobras promovida pela Operação Lava-Jato e pela imprensa empresarial, o que minou o protagonismo da gigante brasileira do petróleo na apropriação nacional dos rendimentos do pré-sal. Sob o governo dos patriotas de Bolsonaro e do partido fardado, a Petrobras segue leiloando a fabulosa riqueza oriunda do pré-sal para empresas estrangeiras, se desfazendo de outros riquíssimos campos de extração e vendendo sua preciosa infraestrutura de refino. É a Petrobras que investe e se arrisca para encontrar o petróleo, mas quando ela encontra a mina de ouro, os patriotas de plantão entregam essa riqueza brasileira para o grande capital internacional em nome da pátria.

Leia também:
O futebol que o capital não compra
Os anos de 1990 e o 2021
Opinião: O que é desenvolvimento?

O fato é que para um país que nasce como uma colônia de exploração voltada para o mercado externo como o Brasil, conseguir construir um setor energético nacional é um feito extraordinário. Mas a autonomia brasileira em termos de energia não interessa ao governo dos patriotas. Pois além de colocar a Petrobras a serviço dos interesses dos acionistas internacionais, o bolsonarismo também entregou a Eletrobras. Você consegue imaginar um governo patriota francês ou inglês entregando a estrangeiros um setor tão estratégico como o de energia?

Outra grande conquista para ex-colônias agroexportadoras é conseguir desenvolver uma indústria nacional altamente tecnológica. Setores altamente tecnológicos dentro de uma economia nacional geram empregos bem remunerados, ajudam a expandir cadeias produtivas associadas e compõem o centro dinâmico do ambiente produtivo do país. O Brasil havia conseguido criar este círculo virtuoso no campo da engenharia aeronáutica através da Embraer, uma empresa originalmente estatal com notável capacidade de produzir aviões competitivos no mercado internacional. Sabe o que os patriotas de 2021 fizeram com a Embraer? Continuaram o serviço lesa-pátria dos liberais tucanos dos anos 1990 e terminaram de vendê-la. Estão fazendo de tudo para abrir mão da grande jóia da indústria nacional para a Boeing, dos EUA. Você consegue imaginar um patriota estadunidense apoiando um governo que venda para potências estrangeiras suas grandes empresas, aquelas que geram milhares de empregos e desenvolvem tecnologia de ponta?

Provavelmente, não. Ainda assim, os patriotas do Brasil adoram usar os EUA como referência, especialmente quando querem legitimar sua agenda econômica privatista e desreguladora. Fascinado pelas quinquilharias que compra em Miami e vestido com uma camiseta da Abercrombie de gosto duvidoso, o patriota brasileiro costuma remeter aos Estados Unidos para militar a favor da privatização de universidades públicas no Brasil e da extinção do décimo terceiro e de outros direitos trabalhistas. Mas será que o patriota brasileiro “graduado” em história pelo whatsapp conhece o processo de formação do estado nacional e do capitalismo estadunidense?

Manifestações fascistas têm muita bandeira do Brasil com pitadas de bandeiras de Israel e EUA (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Será que ele sabe que os fundadores da pátria nos EUA construíram o estado norte americano a partir de uma revolução armada de libertação nacional contra os ingleses? Será que sabem que, depois disso, os independentistas sediados no norte do país engajaram-se numa guerra civil contra o agronegócio do sul, buscando destruir a grande propriedade monocultora e escravista voltada para a exportação? Será que o patriota brasileiro que bajula os Estados Unidos sabe que as elites norte-americanas formataram seu capitalismo a partir de uma reforma agrária extensiva e de uma política estatal antiliberal voltada para a industrialização do país e para a constituição de um mercado interno capaz de consumir massivamente?

Não, não sabe. Na verdade, o patriota brasileiro milita intensamente contra projetos desenvolvimentistas e nacionalistas que tentam fazer aqui o que foi feito lá. No Brasil, o patriota está intimamente associado ao fazendeiro escravocrata do agronegócio, o capitalista que exaure a terra, não coloca comida na mesa das famílias brasileiras e faz de tudo para manter o Brasil como o fazendão de commodities produzidas para o mercado externo. É esse tipo de projeto agrário-exportador que mobiliza o patriota que se enrola na bandeira e celebra orgulhosamente a cafonice eterna dos proprietários do terceiro mundo.

Patriotas contra o estado nacional

Poderíamos enfileirar aqui outros exemplos que demonstram como o patriota brasileiro de 2021 e seu governo liberal-fascista supostamente defendem a pátria mas militam contra os interesses estratégicos do estado nacional. Eles, que juram amor ao Brasil, apoiam a agenda econômica do banqueiro ultraliberal Paulo Guedes, que quer fechar a maravilhosa fábrica brasileira de semicondutores e cortar 34% da verba anual do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Este mesmo patriota de blusa amarela é aquele que apoiou convictamente a Lava Jato na sua missão de destruir as principais empresas da construção civil brasileira, especialmente as que começavam a conquistar mercados fora do país e a incomodar as empreiteiras norte-americanas.

O que temos visto nos últimos tempos, portanto, é tão somente o desfile grotesco dos patriotas brasileiros à luz do dia. O surto coletivo do zumbi do zap que idolatra irracionalmente o jagunço líder, que vai na frente, tocando o berrante e cumprindo milicianamente sua missão: impedir a independência econômica brasileira para reiterar nossa condição de periferia perante o centro do capitalismo global. Como um serviçal cômico a serviço do subdesenvolvimento, o jagunço do caos bateu continência para a bandeira alheia sem esconder a infantil alegria de conhecer um racista tão reacionário quanto ele mesmo. Com isso, o capitão do mato presidente mostrou para nós definitivamente que o pior do Brasil é o patriota. Mas não se engane, Brasil é f*da, o que estraga é a direita.

Gabriel Mendes é cientista político.

A partir de R$ 2 por mês, você colabora com a produção de mais conteúdo nas plataformas do Lado B do Rio. Seja Padrim ou apoie no PicPay e conheça as metas e benefícios.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest